Médicos alertam sobre colapso de hospitais no Japão

Com pandemia, aumenta número de pacientes rejeitados em hospitais no país, que demorou a adotar medidas rígidas de distanciamento social. Num dos casos, ambulância passou por 80 clínicas antes de conseguir vaga.

Associações de médicos do Japão fizeram um alerta neste sábado (18) sobre o colapso no sistema de saúde no país com o aumento no número de casos de Covid-19. Segundo entidades médicas, muitos hospitais estão se recusando a receber pacientes.

Em um caso recente, um homem com dificuldades respiratórias transportado por uma ambulância foi rejeitado em 80 hospitais. O veículo rodou por horas até encontrar uma clínica no centro de Tóquio disposta a atender o paciente. Em outra situação, 40 hospitais se recusaram a atender um homem com febre.

O surto revelou as fraquezas do sistema de saúde japonês, que costuma ser elogiado pela alta qualidade e custos razoáveis. No país, há uma carência de leitos hospitalares, profissionais de saúde e de equipamentos de proteção individual. Os hospitais japoneses possuem apenas cinco leitos de UTI para cada 100 mil habitantes, uma taxa extremamente baixa se comparada à da Alemanha, que chega a 30, ou ate mesmo da Itália, com 12.

Em comunicado, a Associação de Medicina Aguda do país e a Sociedade Japonesa de Emergência Médica afirmaram que já “há um colapso” nos centros de atendimento de emergência. A obrigatoriedade de internação de pacientes com sintomas da Covid-19, mesmo em casos leves, sobrecarregou hospitais, acrescenta o texto.

Diante desta superlotação, o Ministério da Saúde japonês afrouxou as regras de internação obrigatória e transferiu pacientes em estado leve para hotéis para liberar leitos em hospitais para os casos mais graves.

O presidente da Associação Médica do Japão, Yoshitake Yokokura, afirmou que estão em falta equipamentos de proteção individual para funcionários da saúde, colocando em risco sobretudo aqueles que atendem pacientes com Covid-19.

Em março, foram registrados no país asiático 931 casos de ambulâncias que foram rejeitadas por mais de cinco hospitais ou que rodaram por mais de 20 minutos para chegarem a uma sala de emergência. No mesmo período do ano passados, foram 700 incidentes semelhantes. Já apenas nos primeiros 11 dias de abril, os casos chegaram a 830.

Especialistas criticam a demora do governo em adotar medidas de distanciamento social. Após uma abordagem mais amena para tentar conter a pandemia, o Japão vive uma explosão no número de casos e o governo do país se viu obrigado a adotar medidas restritivas mais duras como resposta ao aumento das infecções e declarou estado de emergência.

 

O número de casos de Covid-19 confirmados no país chegou a 10 mil neste sábado, com 201 novas infecções registradas nas últimas 24 horas, um novo recorde. A maioria dos pacientes está sendo hospitalizado, o que pressionou a capacidade do sistema de saúde japonês. Mais de 200 mortes relacionadas a infecções pelo novo coronavírus foram registradas no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *